Logo Instituto Reaction

Artigos

Tendinite extensora da mão: sintomas diagnóstico e tratamento

tendinite extensora

A tendinite extensora da mão consiste em um processo inflamatório que afeta os tendões localizados neste membro. Geralmente essa doença é desencadeada por conta do uso excessivo de computadores, celulares e realização de movimentos repetitivos, que podem acontecer durante a prática de atividades físicas.

 

A tendinite extensora da mão causa sintomas como:

 

  • Rigidez na articulação;
  • Dor;
  • Inchaço;
  • Rangido ao movimentar a articulação;
  • Perda da amplitude de movimento;
  • Fraqueza e dificuldade para suportar peso com membro;
  • Sensibilidade;
  • Estalidos.

 

Leia também: Artrite Reumatóide da Mão

 

É muito importante que diante desses sintomas o paciente busque ajuda de um médico especialista para uma correta avaliação e início do tratamento específico. Existem dois tipos de tendinite que afetam a articulação do pulso como veremos a seguir:

 

Tendinite extensora da mão: esse tipo de tendinite costuma afetar os tendões extensores presentes na mão e no punho, sendo causada pelo dobramento repetido da articulação para trás, realização de esportes que envolvem articulação e atividades cotidianas como a utilização de computadores.

 

Tendinite de flexão do punho: essa condição costuma afetar os tendões flexores e é causada pela flexão de forma repetitiva da articulação para a frente, como é o caso da tendinite do flexor Radial do carpo.

 

Quais são as principais causas da tendinite extensora da mão?

 

Como vimos anteriormente, as causas mais comuns da tendinite extensora da mão é a realização de movimentos repetitivos e uso exacerbado da articulação. Exemplos desses movimentos são:

 

  • Digitação frequente;
  • Utilização constante do mouse do computador;
  • Escrita excessiva;
  • Jogar videogames frequentemente;
  • Prática de esportes como o tênis, Golfe, escalada, Remo, entre outros;
  • Traumas ou doenças como a gota, diabetes, lúpus,artrite reumatoide, etc.

 

Considerando esses fatores, é muito importante realizar o aquecimento e alongamento dos punhos antes de iniciar qualquer tipo de atividade que exige muito dessa articulação. Adotar esses hábitos vai ajudar a prevenir a tendinite e garantir uma melhor flexibilidade e mobilidade desta articulação.

 

É importante que seja feito um diagnóstico preciso da lesão visto que várias alterações podem coexistir. A tendinite extensora da mão pode estar acompanhada de uma pseudoartrose da ulna, lesão do Complexo da fibrocartilagem triangular, lesão do ligamento, entre outros.

 

No caso de episódios agudos de trauma, também pode ocorrer a luxação ou subluxação do extensor ulnar do carpo, sendo necessário uma avaliação mais  específica para garantir o melhor tratamento. Para isso, o médico pode realizar a avaliação clínica e solicitar alguns exames complementares para uma visão mais abrangente da articulação.

 

Como é feito o tratamento de tendinite na mão?

 

Via de regra, o tratamento precoce da tendinite extensora da mão é feito de maneira conservadora. Nesse sentido, o principal objetivo do médico é combater a inflamação e reduzir os sintomas para melhoria da mobilidade e qualidade de vida do paciente.

 

O tratamento conservador pode incluir:

 

  • Repouso;
  • Imobilização com ajuda de gesso ou uma tala para evitar a o agravamento da inflamação;
  • Aplicação de compressa de gelo algumas vezes ao dia para reduzir o inchaço e combater a dor;
  • Prescrição de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios;
  • Alongamento e fortalecimento;
  • Injeção de medicamentos para reduzir a dor e atenuar a inflamação;
  • Entre outras abordagens.

 

A intervenção cirúrgica é raramente recomendada, sendo indicada nos casos onde a abordagem conservadora não conseguiu combater de forma adequada o processo inflamatório. Esse tratamento é recomendado quando há ruptura do tendão ou risco de ruptura.

 

O médico também pode indicar a cirurgia nos casos de tendinose, ou seja, há um processo degenerativo do tendão. Esse procedimento pode ser realizado através de uma artroscopia de forma minimamente invasiva ou através de cirurgia aberta. A escolha do procedimento vai depender da gravidade da lesão e das recomendações do médico responsável.

 

Está gostando do contéudo? Compartilhe!