Logo Instituto Reaction

Artigos

Medicina Regenerativa

MEDICINA REGENERATIVA

O corpo humano possui uma alta capacidade de se curar, cortes, ossos quebrados, gripes, infecções. Mas em alguns casos, como na artrose, que é caracterizada por uma doença degenerativa, nosso organismo não consegue reparar sozinho os tecidos danificados pela artrose. A medicina regenerativa então vem como uma solução muito forte para esse tipo de doença! Ao utilizar avanços da engenharia celular, esse tipo de estudo visa, a partir de técnicas especificas, aumentar a cura natural de doenças, como por exemplo a artrose.

Plasma rico em plaquetas (PRP)

          Desde os anos 2000 os médicos vêm utilizado esse método com êxito para regenerar inúmeros tipos de lesão como por exemplo a artrose ou até mesmo tendões danificados.

O processo para a produção desse composto é simples o sangue do individuo é coletado e centrifugado. Este processo faz com que as plaquetas se concentrem no plasma, depois disto essa parte centrifugada é injetada no paciente na região danificada. Com isso estimulam a cura, regulam a função das células imunitárias e melhoram os sintomas.

Esse método acaba, portanto, sendo mais eficaz do que injeções de corticoide por exemplo por durarem seis meses ou mais e por serem feitas do próprio sangue do paciente.

 

Leia também: Treinamento funcional para pessoas com artrose: quais os cuidados

 

Células-tronco

          As células-tronco estão muito famosas hoje em dia, devido a sua facilidade de se transformar em outros tipos de células e consequentemente substituir ou reparar tecidos lesados e degenerados.

Essas células, as quais são retiradas da medula óssea do indivíduo ou da gordura, tem o poder de se diferenciar em qualquer um dos 200 tipos de células que existem no corpo do ser humano, além disso, consegue tornar o meio onde estão, rico em células do sistema imunológico criando assim um microambiente que também pode estimular a formação de tecidos.

O processo para injetar essas células é um pouco mais complicado, devido ao procedimento ser mais invasivo do que o (PRP) por exemplo, uma vez que o medico na maioria das vezes tira as células-tronco da região da medula óssea do quadril ou do fêmur.

Reabilitação

          A reabilitação nesses casos acaba sendo imprescindível, uma vez que o individuo (agora sem dor) terá um espaço de tempo, para conseguir trabalhar o fortalecimento da região e com isso proporcionar melhor estabilidade para a articulação.

Um exemplo muito comum é quando o individuo procura o medico com queixas de dores no joelho, o doutor ao ver os exames do paciente se depara com um quadro degenerativo de artrose, com isso toma a decisão de realizar o tratamento de Plasma rico em plaquetas (PRP), ao realizar o procedimento encaminha o paciente diretamente para a fisioterapia.

Na fisioterapia no primeiro momento, o joelho responderá com um processo inflamatório devido a infiltração, tem como objetivo controlar esses sintomas inflamatórios, logo após essa fase, o fortalecimento é imprescindível para o paciente, tendo em vista que estará sem dor e poderá melhorar sua condição muscular e consequentemente aumentar sua estabilidade articular do joelho, portanto, quando o PRP não fizer mais efeito o paciente estará melhor preparado para voltar suas atividades de vida diária sem dor.

 

Leia também: Uso da hidroterapia na Recuperação de Lesões Esportivas

Está gostando do contéudo? Compartilhe!