Crossfit: beneficios e lesões

É fato de que o Crossfit é uma modalidade esportiva que veio para ficar!

Muitos benefícios!

Os beneficios do crossfit incluem ganho de força, pertencia, resistência e equilibrados musculares e poucos são os esportes onde o praticante tenha tantos ganhos.
O crescimento dos boxes por todo o pais trouxa a imagem de pessoas subindo cordas, empurrando pneus e, aos olhos do publico leigo, veio o PRÉ-conceito de pessoas “loucas”realizando uma atividade física perigosa e que machuca muito!

Sim! Ainda há um mito que o crossfit é um esporte perigoso por muitos fatores como a intensidade do treinamento o conjunto de exercícios interligados ao mesmo treino e principalmente a força. Mas, na verdade, os primeiros estudos publicados no Brasil e no mundo mostram justamente o oposto!
Tanto o crossfit, como qualquer outra atividade que tenha alta intensidade e frequência podem causar os mesmos ou mais problemas em seus praticantes, mesmo com um bom acompanhamento medico.
Esportes como o futebol,levantamento de peso, corrida e musculação possuem alto índice de lesões, bem acima do crossfit .

Pesquisas Recentes

Um estudo publicado nos EUA trouxe à tona a “taxa de incidência de lesões ligadas ao treinamento do crossfit foi baixa e comparável a outras formas de atividades de condicionamento físico”.
Outros estudo teve resultados muito parecidas com a anterior, relatando que as “taxas de lesões com o treinamento crossfit são semelhantes às relatadas na literatura para esportes como levantamento de peso olímpico, levantamento de força e ginástica.

Um terceiro estudo também americano encontrou 2,3 lesões por 1.000 horas de treinamento. Os autores investigaram mais de perto os praticantes de crossfit, para entender por que as lesões acontecem. Concluíram que os atletas com maior massa corporal tinham mais tendência a sofrer lesões e que o índice de lesões eram diretamente proporcionais ao acumulo de horas semanais de treino, certamente por estar ligado a um “recovery”insuficiente.

Como as lesões no crossfit acontecem?

Assim como em outros esportes,a principal forma as lesões no crossfit ocorram é pelo aumento agressivo no volume e freqüência de treino. Isso pode ocorrer em um novo ciclo de agachamento por exemplo mais intenso ao habitualmente praticado no intuito “simples” complementar o treino.
Muitos atletas relatam dores no tornozelo e panturrilha normalmente quando estão buscando aprender novas habilidades, como double-under, (salto duplo de corda, permite que a corda passe sob seus pés duas vezes enquanto você ainda está no ar) realizado todos os dias no aquecimento.

crossfit beneficios e lesoes

 

Relacionados

+ Lesões na musculação

+ Condromalacia patelar

+ Lesões cartilaginosas no joelho

 

Recuperar sempre!

O volume recuperável máximo (VMR) é um termo utilizado no mundo do crossfit, que significa o máximo de volume que se pode realizar de treinamento e se recuperar integralmente para as próximas sessões alcançando todos os benefícios.
Esse volume recuperável máximo nem sempre é bem sucedida, atrapalhando o ganho de massa muscular, força e conquista de habilidades.

Periodizar Sempre

Em algumas academias os treinos são programados em até 6 dias por semana, contemplando condicionamento físico e força ao mesmo tempo, essa programação muitas vezes excede o que recomenda o CrossFit HQ.
Podemos citar alguns pontos que, muitas vezes são a maior causa de lesões no crossfit, sendo:
• Erros de técnica
• Falta de força e resistência muscular
• Desequilíbrios musculares
• Restrições de mobilidade

Como posso te ajudar?

Assim como para qualquer modalidade esportiva, em uma consulta médica no Crossfit, avaliamos alguns fatores de risco, como os cardiovasculares (principalmente em pessoas que ficaram muito tempo sedentárias) articulares e metabólicos.
Após o inicio da atividade, acompanhamos a fase de adaptabilidade e, posteriormente os ganhos fisiológicos da atividade física.

Particularmente para esta modalidade esportiva, costumo acompanhar mês a mês (em alguns casos, semanalmente), observando parâmetros de ganho fisiológico e indicadores de over-trainning, principalmente nos iniciantes, assegurando alto rendimento e baixo índices de lesões.

lesões no crossfit

Veja minha entrevista sobre o Crossfit

 

Mais sobre o autor

 

Referencias bibliograficas

Chachula LA, Cameron KL, Svoboda SJ. Association of Prior Injury With the Report of New Injuries Sustained During CrossFit Training. Athletic Training and Sports Health Care. 2016 Jan/Feb;8(1):28-34.

Chatterjee T, Siddiqui Z, Winston T, Ferguson M, Zumwalt M. Acute Achilles Tendon Rupture From Cross Fit Training. Journal of Bone Reports & Recommendations. 2015; 1(1):1-4.

Friedman MV, Stensby JD, Hillen TJ, Demertzis JL, Keener JD. Traumatic Tear of the Latissimus Dorsi Myotendinous Junction: Case Report of a CrossFit-Related Injury. Sports Health. 2015 Nov-Dec;7(6):548-52.

Hak PT, Hodzovic E, Hickey B. The nature and prevalence of injury during CrossFit training. J Strength Cond Res. 2013 Nov 22. [In Press]

Lu A, Shen P, Lee P, Dahlin B, Waldau B, Nidecker AE, Nundkumar A, Bobinski M. CrossFit-related cervical internal carotid artery dissection. Emerg Radiol. 2015 Aug;22(4):449-52.

Cardiologista em SP: Morte súbita em Atletas

Nas últimas semanas tivemos 2 mortes em atletas e corredores jovens. Entre eles o zagueiro da seleção italiana que teve uma morte súbita enquanto dormia. Aqui no Brasil tivemos a morte de uma advogada enquanto praticava corrida de rua.

Sabemos que a atividade física comprovadamente previne doenças e prolonga a vida do indivíduo, no entanto, algumas doenças silenciosas podem estar presentes e se manifestarem exatamente durante a prática do esporte. Por isso uma avaliação detalhada com um profissional especialista se faz necessária.

No caso do zagueiro italiano mesmo com a avaliação dos exames de rotina que é feito no clube, não foi encontrada nenhuma alteração específica. Isso leva a crer que a possível causa da sua morte tenha sido uma doença genética chamada de síndrome de brugada. Ela não aparece nos exames e o indivíduo pode morrer dormindo. Por conta disso, a constante avaliação com um médico experiente é de suma importância.

Através do histórico de doenças da família e um bom exame clínico/físico sem dúvida podem diminuir as chances de um evento cardíaco.

Já no caso da advogada, a mesma realizava uma corrida de 7 km, até então tranquila dentro da sua base de treino e apresentou um mal súbito no 2 km antes da chegada. Em indivíduos abaixo de 35 anos as principais causas de morte durante o exercício são: cardiomiopatiahipertróficadisplasia arritmogênica do ventrículo direito,coronária anômala e miocardite. Todas essas doenças são possíveis de serem diagnosticadas durante consulta de avaliação e após exames específicos.

Tendinite calcária dos ombros: uma condição comum entre as mulheres

A tendinite calcária dos ombros é muito comum entre as mulheres e pode ser diagnosticada com exame de Raio X. Em outros casos, a ortopedista também pode recomendar a realização de uma ressonância magnética para o médico confirmar ou descartar suspeita de lesão no tendão.

Apenas com o diagnóstico confirmado seguramente para tendinite calcária é que pode ser iniciado o tratamento para o problema.

Entenda como a tendinite calcária ocorre

A tendinite calcária é uma condição resultante do acúmulo de sais de cálcio nos tendões do manguito rotador. O resultado é muita dor no ombro, sendo mais comum a ocorrência no lado direito.

O cálcio vai se acumulando lentamente nos tendões do ombro, levando meses para a tendinite calcária evoluir, e nessa fase muitas pessoas não percebem, até vão surgindo dores e desconforto e, subitamente, evoluir para uma dor muito intensa. É quando ocorre a chamada fase de reabsorção, em que o depósito de cálcio será parcial ou totalmente reabsorvido.

Já na fase aguda pode ocorrer uma dor intensa que irradia para o deltoide e, ao tocar o ombro, é possível identificar o ponto certo da dor. Outros sintomas são limitações no movimento do ombro. Na fase crônica os sintomas são os mesmos da síndrome de impacto, ou seja, dor e dificuldade para executar os movimentos da articulação.

Em muitos casos, a tendinite calcária ocorre depois de o paciente apresentar uma tendinite simples no ombro, ou seja, a inflamação afeta os tendões, mas sem o acúmulo de cálcio. Sabe-se ainda que há uma predisposição para o desenvolvimento de depósitos de cálcio, mas para ocorrer tal formação, deve haver uma alteração vascular local, o que faz com que haja uma alteração química no interior do tendão e isso leva a deposição de cálcio.

Tratamento

Entre os tratamentos indicados estão a prescrição de analgésicos, repouso, crioterapia e fisioterapia. Em outros casos também pode haver a necessidade de tratamento cirúrgico, que é realizado com o objetivo de retirar o depósito de cálcio do tendão, procedimento que pode ser feito por meio de artroscopia do ombro.

Fraturas no Joelho: diagnóstico e tratamento

Os traumas causados por lesões podem causar desde rompimentos de ligamentos até mesmo a fratura de ossos que compõem os joelhos. Estimativas são de que essas condições correspondem a aproximadamente 80% das patologias que atingem a articulação.

Não por acaso, essas condições preocupam muito quando o paciente chega ao consultório de ortopedia, pois dependendo da gravidade, o tratamento pode envolver cirurgias e um longo período de recuperação.

O nosso joelho é uma importante articulação que é formada pela extremidade distal do fêmur, pela extremidade proximal da tíbia (e pela patela (rótula). O joelho ainda possui ligamentos que estabilizam a articulação, auxiliados pelos meniscos (interno ou medial e externo ou lateral), que estabilizam o joelho, e amortecem os impactos sobre as cartilagens.

Quando as fraturas ocorrem

Os acidentes automotivos e esportivos são os principais motivos das lesões sofridas na articulação e que levam a sua fratura. A fratura do joelho pode ocorrer na patela, côndilos femorais, plato tibial, eminência intercondilar da tíbia e tuberosidade da tíbia.

O tratamento para fratura na região do joelho deve ser determinado após consulta com o ortopedista e vai variar de acordo com as características da lesão e do osso que foi atingido.

No caso da fratura, o tratamento, geralmente, envolve a realização de cirurgia. Hoje, existem placas e parafusos que permitem cortes mínimos e alta resistência da fixação, mesmo para ossos com osteoporose.

Consequências

A fratura nos ossos do joelho também pode vir acompanhada de outras lesões como rompimento de ligamento, cartilagem e lesão no menisco. Por isso é muito importante procurar o ortopedista tão logo sofra a lesão, principalmente, se for uma fratura exposta, que exige atendimento médico imediato.

A cartilagem, por exemplo, é o tecido que reveste as articulações do corpo humano. Ela pode sofrer traumas que são causados por lesões como torção, contusão direta, distensões, ruptura de ligamentos ou um desgaste com o passar dos anos, que caracteriza a artrose.

Já os ligamentos funcionam como estabilizadores dessa articulação, que impedem o deslocamento anormal entre os ossos. O joelho possui quatro ligamentos: os cruzados anterior (LCA) e posterior (LCP) e os colaterais medial (LCM) e lateral (LCL).

Cardiologista em SP: confira oito dicas para manter o coração saudável

Sedentarismo, alimentação inadequada, passar o dia inteiro sentado: são muitos os hábitos que prejudicam a saúde do coração, órgão vital para o bom funcionamento de todo nosso corpo.  Reunimos dez dicas para quem quer e precisa manter a saúde do coração em dia. Confira!

Exercite-se: os exercícios físicos, principalmente os aeróbicos como caminhar, correr ou nadar são excelentes para melhorar nosso condicionamento físico e, consequentemente, fortalecer o coração. São indicados ao menos 40 minutos de atividade física até quatro vezes por semana. Mas se apresenta alguma condição ou histórico familiar, consulte o cardiologista antes de iniciar essas atividades.

Dê adeus ao Sal: além do sal que utilizamos na cozinha, ele também está presente em altos níveis nos alimentos industrializados. O sal em excesso no sangue favorece o aumento da pressão arterial, o que prejudica o coração.

Controle a Pressão: além de controlar o sal, deve-se ficar de olho na pressão  arterial. Hipertensos precisam de medicação para o controle da pressão e também adequar fatores de risco – como alimentação e sedentarismo – que colaboram para um quadro de pressão alta.

Fique de olho na balança: o controle de peso, através de alimentação balanceada e exercícios físicos, mantém seu coração saudável. Se você está acima do peso, precisa consultar o médico.

Tabagismo: fumar prejudica o coração e pode desencadear o câncer no pulmão, pele e boca. O consumo de derivados do tabaco pode causar quase 50 doenças diferentes.

Colesterol: o colesterol ruim pode provocar uma obstrução nas veias e prejudicar ou fazer com que seu coração pare de funcionar. Faça exames periódicos para o médico avaliar seus níveis de colesterol.

Glicose/Glicemia – a alta concentração de glicose no sangue pode dificultar sua absorção, fazendo com que o organismo não consiga metabolizar esse açúcar totalmente, causando doenças como o Diabetes.

Faça um Check-up – ao menos uma vez no ano, procure o cardiologista e faça um check-up.  O procedimento permite avaliar o funcionamento do coração e também por meio de exames laboratoriais, o médico pode verificar todas suas taxas – glicose, colesterol, entre outras, o que permite tratar precocemente ou enviar doenças.

Geriatra em São Paulo: 5 dicas para ter uma vida mais saudável

Nós estamos vivendo mais, segundo os órgãos internacionais de saúde, e a longevidade já é uma realidade. No entanto, a vida moderna tem deixado muitas pessoas sedentárias e os maus hábitos alimentares tem aumentado a obesidade.

Viver bem, adotando hábitos saudáveis e tendo acompanhamento médico ao menos uma vez por ano para realização de um check-up é fundamental para chegarmos a terceira idade o mais saudável possível. Uma das formas de fazer isso, é ter consultas com a geriatra desde cedo.

Por também ser generalista, esse profissional da saúde poderá ajudar na prevenção e no tratamento precoce de doenças. Veja cinco hábitos que garantem uma vida e envelhecimento mais saudável.

1 – Hidrate-se: beber água é muito importante, pois ela é fundamental para o funcionamento do nosso organismo, principalmente, dos rins que ajuda nosso corpo a eliminar toxinas e impurezas através da urina. A água ainda nutre nossas células e músculos.
Ocorre que muita gente acaba esquecendo de consumir água no dia a dia. O recomendado, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), precisamos consumir em média 2 litros de água por dia.

2 – Alimentação Equilibrada: é importante comer bem e isso significa ter uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes para o nosso corpo. Uma alimentação ideal deve ser rica em carboidratos, proteínas, fibras e vitaminas. Deve-se evitar o consumo excessivo de doces e sódio, que levam ao desenvolvimento de doenças como pressão alta e diabetes.

3 – Exercite-se: praticar exercícios regularmente, independente, da idade também faz muito bem a saúde. Os exercícios fortalecem nossos músculos, ossos e ainda melhoram as defesas do nosso organismo. Muito importante que eles ocorram com o acompanhamento profissional adequado para evitar lesões.

4 – Evite o estresse: o dia a dia, principalmente nos grandes centros, pode ser atribulado e somado a isso problemas pessoais e financeiros podem levar as pessoas a uma condição de stress constante: o resultado são quadros de ansiedade e depressão, entre outras condições, que prejudicam a qualidade de vida e o processo de envelhecimento. Então, o ideal é evitar e se cuidar quando se ver em situações de stress. Caso resulte em problemas, psicológicos, sempre importante procurar ajuda médica.

5 – Faça um check-up: sabe o médico que conhece seus filhos desde crianças que sempre vemos nos filmes? O acompanhamento médico durante toda sua vida é a principal arma que temos para prevenirmos e tratarmos doenças precocemente. O ideal é que cada indivíduo faça um check-up (consulta médica e bateria de exames) ao menos uma vez ao ano. Isso ajuda a detectar doenças precocemente e também a preveni-las.

Veja os benefícios dos exercícios físicos

Praticar exercícios físicos é uma recomendação médica muito importante porque ao praticar esportes o indivíduo não só fortalece e desenvolve a musculatura como também o seu sistema imunológico.

Os exercícios associados a uma dieta equilibrada também trazem inúmeros benefícios a saúde, sendo auxiliares no tratamento de hipertensão e diabetes, além de outras condições. E é justamente aí que entra a medicina esportiva.

Trata-se de uma especialidade que é direcionada tanto para atletas profissionais quanto pessoas comuns que desejam melhorar seu desempenho nos esportes, bem como prevenir e tratar lesões. Vejam alguns dos benefícios das atividades físicas.

Acelera o metabolismo: estudos mostram que praticantes de atividades físicas tem melhor queima de calorias, ou seja, seu corpo passa a metabolizar melhor tudo o que você consome.

Bom para o coração: previne doenças cardiovasculares porque potencializa o transporte de oxigênio, diminui a frequência cardíaca basal e fortalece o coração fazendo que ele bombeie a mesma quantidade de sangue batendo menos.

Controla o Diabetes: um dos gatilhos da diabetes, quando não genética, é a alimentação inadequada e falta de exercícios. A prática de exercícios e a alimentação adequada colabora no tratamento do Diabetes.

Combate a hipertensão: uma das causas da hipertensão é a obesidade e o alto consumo de sódio. Com os exercícios físicos e correção da alimentação é possível controlar a pressão alta.

Combate ao estresse: os exercícios físicos fazem o corpo liberar endorfina, substância natural que bloqueia a sensibilidade à dor e promove a sensação de relaxamento e prazer.

Bom para a autoestima: ajuda a desenvolver a musculatura e a modelar o corpo, tendo impacto na autoestima.

Emagrece: ajuda a emagrecer, quando associada com dieta equilibrada, com acompanhamento médico.

Fortalece ossos e músculos: os exercícios físicos afetam nosso corpo positivamente. Eles fortalecem e aumentam nossa musculatura e ossos, e também nossa resistência física e imunológica.

Melhora o sono: quem pratica exercícios também dorme melhor, o que traz benefícios para nossa concentração e também melhora a disposição no dia a dia.

Cisto Sinovial: o que é e como tratar

É uma bolsa de tecido mole cheia de líquido sinovial (mucina). É o tumor de partes moles mais comum da mão e geralmente está preso a alguma estrutura como cápsula articular, tendão, ligamento ou bainha do tendão. É mais prevalente em mulheres e 70% das vezes ocorre entre os 15 a 40 anos de idade.

Geralmente são únicos e podem acometer todas as articulações sinoviais do corpo. O mais comum é na região dorsal do punho.

Causa

Sua causa ainda não é estabelecida, mas existem teorias que falam em favor de desgaste celular na região da articulação, tendão ou bainha do tendão.

Sintomas

Geralmente o que faz os pacientes procurarem atendimento é a aparência cosmética, dor, fraqueza e a preocupação que seja algo mais grave. Em poucos casos uma história de trauma está presente como causa. Não há correlação com qualquer tipo de atividade ou ocupação.

​Não há nenhum caso descrito de malignização, porém alguns tumores malignos podem ser confundidos com a doença. Eles podem aparecer subitamente ou ir aumentando de tamanho lentamente, e é comum seu aumento e diminuição com o aumento de atividade ou repouso e não é incomum seu desaparecimento espontâneo e seu rompimento com algum trauma.

Diagnóstico

O diagnóstico é essencialmente clínico, com uma história detalhada e um exame físico minucioso. Geralmente só isso já basta. A radiografia geralmente não apresenta alterações, porém alterações degenerativas (desgaste) podem estar presentes. A ultrassonografia geralmente identifica a origem e o conteúdo da lesão e oferece um diagnóstico preciso.

Tratamento

O tratamento não cirúrgico inicialmente é sempre considerado devido a pequena complexidade e facilidade de se fazer já na primeira consulta com altas taxas de sucesso. A aspiração do conteúdo e perfurações da parede do cisto com infiltração de um corticóide costumam aliviar muito os sintomas e resolver o problema em até 30% dos pacientes já na primeira vez, porém podem estar associados a reincidências.

​O tratamento cirúrgico pode ser feito da maneira clássica, via aberta, onde é feita uma incisão sobre o cisto que é retirado em sua origem ou através de ressecção via artroscópica na qual uma câmera é colocada através de uma pequena incisão e a ressecção é feita através de outra pequena incisão. Ambos apresentam bons resultados e em estudos recentes a chance de recidiva (retorno do cisto) aparenta ser discretamente menor na via aberta. A recuperação depende muito de cada paciente, mas geralmente são necessários algumas semanas de repouso para atividades esportivas mais intensas.

Pisar de forma errada pode gerar lesões no corpo 

Você já parou para pensar na importância da sua pisada para o desempenho de exercícios de impacto como corrida, saltos ou ainda mesmo na execução de atividades do seu dia a dia como caminhar, subir ou descer escadas?
Se a resposta for não, está na hora de começar a notar essa questão. Isso porque pisar corretamente, evita de sofrermos lesões durante estas atividades. Uma pisada incorreta pode, por exemplo, gerar torções nos tornozelos, no joelho, além de problemas posturais e na coluna, sistemas muito requeridos quando caminhamos e também gerar quedas que podem afetar outras partes do nosso corpo.
Há aquelas pessoas que pisam torto, por uma questão comportamental, mas em boa parte dos casos a pisada errada pode estar relacionada a anomalias do pé ou ao tipo de pisada que cada pessoa tem.
O tipo de pisada que tempos, por exemplo, influi no tipo de tênis que devemos escolher para realizar nossas atividades. Existem três tipos de pisada: neutra, pronada e a supinada.
A pisada neutra é a que consideramos como correta. Ela ocorre quando o pé se apoia uniformemente no chão, ou seja, o arco da planta do pé não faz nenhum desvio rotacional quando pisamos e isso faz com que o impacto do movimento seja absorvido de forma homogênea pelo pé.
A pisada supinada ocorre quando pisamos para fora, projetando a carga corporal para lateral externas dos pés. É muito comum em pessoas que possuem o arco do pé muito acentuado, condição conhecida como pé cavo, que faz com que o apoio se desloque para lateral externa.
A terceira pisada é a pronada e ocorre, geralmente, em pessoas que tem o “pé chato”. Neste caso a pisada ocorre com desvio para parte interna do pé. Costuma ser a mais comum entre a população.
Saúde
É muito importante procurar o ortopedista especializado em pés aos sentir problemas que estão relacionados à sua pisada, principalmente, se nas suas atividades diárias seus pés são muito requeridos.
As condições geradas pelo tipo de pisada associadas ao uso de tênis e sapatos incorretos podem variar de agudas a crônicas, com surgimento de bolhas, calos e lesões ósseas. Além disso, podem ocorrer problemas crônicos como tendinites no tornozelos, canelites, deformidades ósseas, entre outros problemas.

O risco da fratura de quadril em idosos

O aumento da expectativa de vida tem tornado algumas patologias típicas da terceira idade como é o caso da fratura do colo do fêmur (fratura do quadril).

Esse tipo de fratura ocorre, principalmente, em decorrência do enfraquecimento dos ossos, que ficam mais frágeis com a idade e também por conta do surgimento de doenças como a osteoporose.

Isso faz com que idosos sofram fraturas em quedas simples, que em uma pessoa mais jovem não teria a fratura como consequência do impacto sofrido. Ao cair, o idoso sente dor na região do quadril e da coxa e incapacidade para se locomover e mover a perna.

Quando o osso se parte por completo – em duas partes – a perna costuma sofrer uma rotação externa.

O risco de morte em decorrência da fratura do colo de fêmur é muito grande, uma vez que a grande maioria dos casos demandam cirurgia e um longo período de reabilitação, quando pode surgir complicações clinicas como trombose, embolia pulmonar, úlceras na pele, pneumonia e infecções urinárias.

Ao sofrer a queda e haver suspeita de fratura, dor e dificuldade de locomoção, é recomendado levar o paciente para consulta com o ortopedista.

O diagnóstico é feito clinicamente com a análise dos sintomas e também com uma radiografia do quadril. Em alguns casos, quando a radiografia não mostra a fratura claramente, é necessária uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Tratamento

As fraturas no quadril devem ser tratadas com cirurgia, pois a intervenção aumenta as chances de recuperação. O ortopedista vai avaliar o estado clínico do idoso antes de recomendar a cirurgia, mas o indicado é que ela seja realizada nas primeiras 48 horas após a fratura.
A cirurgia envolve a fixação dos ossos com parafusos, pinos ou placas. Em alguns casos, o ortopedista pode optar por remover parte do quadril e substituí-lo por uma prótese.

Após a cirurgia, o paciente é estimulado a andar com muletas e a iniciar sessões de fisioterapia e iniciando o processo de recuperação.